você vem sempre por aqui ?!

Seja bem vindo...
Bom dia, ou será Boa tarde, talvez Boa noite.
Esteja a vontade!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

-

Noite a dentro tranqüila e envolvente, ouve- se o soar do vento e dos sininhos que vão de um lado para o outro.Corpo que encosta na parede branca e nua sente uma leveza confortável que ora some aos tremores da alma.
‘sem sofrimento,imóvel, sorrindo e ate flutuando’
Quase não fala, quase não sente,quase não quer sair dali. Levanta faz um chá, repetição do mesmo movimento até a ultima gota – leva a caneca até a boca e sente o corpo se aquecer – Nem está tão frio aqui dento mas talvez algo esteja prestes a congelar.

o fim para o começo.

Etapas vão sendo encerradas para outras começarem.
Um passo de cada vez, cabeça a mil tentando permanecer no lugar.
Saudade do que já se foi,medo do que estar por vir.
Ansiedade!
Uns correm,outros descem dos carros, chove e quase ninguém se importa, olham no relógio com ar de desespero.Ultrapassam barreiras na busca de um objetivo.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Lutando contra a sede de sangue,
corpo esticado tremendo de frio,
recuso as cobertas,quero a tortura de
estremecer o corpo, de judiar de mim.
Sei que ali na bolsa encontro válvula de escape,
derramo lagrimas abafadas pelo barulho da chuva.

crazy

O tempo vai passando e as coisas vão se modificando mas há algo importante que permanece aqui além da eterna vontade de viver.
Ando de rua em rua vejo a bola rolando,falo no boca a boca,comprimento de mão a manw,passo de ponte em ponto,sorrio olhando pros lados vejo de olho a olho – cara de liberdade -, repasso a alegria sonhos que sonham os loucos, briso na mesma vibe, faço a mesma pergunta, respondo indignada, solução de revolução.Viajo do mesmo jeito não ligo pro que não mereço.

um dia dificil


- difícil passar pro papel pensamentos como esse. 
Inquietação interminável eu sei.
Fotografando com o olhar e acumulando sensações #
Lá fora sentada, observando as pedras da rua, no meio fio é onde me pego olhando fotografias cheias de boas energias e amor.’
No degrau da escada, ouço a doce voz daquela pessoa que tanta falta faz.
Agora sentada no chão da sala, uma musica embala meu sentimentalismo, auto controle, lagrimas contidas – saudade, medo –
Como um pássaro preso!

Num momento de liberdade...

Dentro da sala de aula, espelhos,barras, musica, espaço... Todos dançam enquanto estou com a mão recostada no queixo.
– vou pra bem longe.
Penso num sonho alimentado pelo tempo,por momentos,projetos,pessoas,fotografias,exemplos. Um sonho que varias vezes pareceu impossível,inviável,fora de alcance,distante.
Ora parece tão aqui na minha mão,tão meu,tão certo e bonito, ora não quero pensá-lo.
Estar aqui me instiga,me aflige, como se eu estivesse numa zona de risco.
E me arrisco!
Afinal é isso que busco.

domingo, 13 de novembro de 2011

4º dia

O som não embala minha mente.coração sangrando, braços coçando por válvulas de escape. – nada satisfaz –
Confundindo, consumindo.
Uma energia pesada maltrata minha mente.
Agonia,medo. Necessidade de um abraço em ponto de paz.
Querendo me fugir daqui – o final de tarde me atormente. A noite que não chega, o relógio anda devagar e aqui permaneço a minutos que parecem eternos.
Querendo um lugar obscuro – visitar onde descansam os corpos daqueles que já se foram – senti a brisa da noite que já vai chegar e ver as luzes baixas entre estatuas e cruzes.
Talvez eu quisesse mesmo estar lá, mas no entanto ainda permaneço aqui.

mais de um (a)


Brincando com faca, desobedecendo alguma regra, indo atrás de algum limite, redescobrindo válvula de escape, deixando escorre sangue quente pela pele fria que treme talvez de desespero, sentindo prazer pela tortura, buscando a dor, desligando e experimentando sensações ...
- Estar e não estar aqui .. perto da janela do terceiro andar, avisto um prédio antigo, duas arvores grandes e um céu azul com partes laranjas claro de um fim de tarde trazendo uma sensação de liberdade e angustia.Olhos pesam!
Alguém me olha de rabo de olho seriamente. Oque será que pensa? (viagens
Obscuro me parece o mundo as vezes.               Medo! Arrisco e dou a cara a tapa
Arvores compõem a paisagem.                                                - pênsil!                  

desabafo ³


Tal difícil é a tortura de estar longe de quem si quer estar perto. Sinto meu coração chorar – seguro as lagrimas que enchem meus olhos – mas aqui dentro é inevitável.
Talvez nem eu saiba decifrar o quanto estou sofrendo.
-dizem que aparento estar melhor!
Vivendo assim,criando uma marcara que sorri as vezes por pura falsidade... logo eu que não gosto disso – obrigada a estar assim –
Eu já seu que não agüento por muito tempo,mas temo por você – tomando decisões através do medo –
(axo que to carente –sinto como se não tivesse ninguém – esperando você chega mais perto e se arriscar.. 03/11)

desafabo ²

Momentos com você não saem da minha cabeça... é como um recomeço, uma nova pagina da nossa historia – paginas talvez um tanto negras – Não consigo dizer se é bom ou mal (8’
Duas difíceis.
Acordar na certeza de ver você 5 dias na semana, a cada amanhecer um sorriso, te ter e não ter (dói), as horas passam depressa quando te tenho do meu lado. Ando gravando cada detalhe de cada momento desses, estão sendo tão preciosos e fortalecedores pro coração, pra superar esse medo, essa incerteza do amanha. Seu sorriso lindo faz meu coração bater depressa,seu olhar envolvente, ora triste ora alegre, seu abraço apertado que faz sentir segura, seu beijo tão bom, tão intenso (como o primeiro’)
A cada dia – seu cheiro,seu jeito de falar,nossas alegrias,nossas tristezas,lembranças que fortalecem,sonhos que alimentam,momento (o agora) que faz nossas corações mais calmos.
- despedidas.
Tarde e noites intermináveis.
A espera sempre a espera de re ver de novo.
A espera sempre a espera de um futuro nosso ... (21:12)

terça-feira, 8 de novembro de 2011

alone

musica,incenso,fumaça,barulhos alheios,um copo,uma garrafa, espuma, chão, energia, saudade,lembranças.
- Inquietação
na aflição do coração preocupado com os últimos acontecimentos 'trágicos', palavras ditas,palavras não ditas. Quantas vezes querendo falar,me calei e num momento de desespero tudo veio a tona sem eu querer. Medo,incerteza, a verdade.
Indignação, não aceitação,preconceito,choro...
A verdadeira face mostrada, estampada na pele, carne crua e sensível da menina que tinha um segredo ...
o medo agora me consome.
- viver um dia de cada vez, mas não deixar de enxergar o futuro distante e planejado.
incerto, mas tão sonhado.                                     #fortalece.
a face que agora derrama lagrimas não mais poderá mostrar a leveza que esperava traspassar ao não mais precisar esconder aquilo que a faz sorrir.
continuara escondendo... pra 'agradar' alguém, somente por temer.  - isso não me satisfaz.
talvez foi embora a liberdade sempre tão desejada e vivida, talvez uma parte da felicidade, do querer viver... mas eu vou esperar a hora de ir embora viver não mais assim.

um nosso lugar


Um lugar cheio de marcas do tempo ,de historias e momentos, talvez cada canto diga algo... ‘temo nosso lugar.
A um primeiro momento janelas,depois de um certo tempo uma porta com vista pra algum verde um tanto queimado,casas,trilhos, céu e pombos que voam em circulo no mesmo lugar, uma escadinha – sentados conversávamos – uma parede. Detalhes guardados e palavras especiais.
Algum susto,barulhos, pessoas,datas,beijos,abraços e sorrisos.
Olhares, ritmo do coração que parecia conversar – meso -  meninice, ousadia, viagens,brisa
                                                                                                              (um ultimo dia)    

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

desafabo

e derrepente eu me vejo com tudo rodando e o chão desabando, lagrimas e mais lagrimas escorrendo, doi e doi muito aqui dentro, imaginar uma possivel perda. aquela pessoa que você compartilha seus mais lindos momentos e sonha em compartilha tantos outros...
lembro do sorriso,do jeito, do incio, de tudo ... a chuva cai la fora e eu permeço aqui dentro das minhas quatro paredes vazias com a nossa foto no painel me fazendo cia. e nada que eu fale ou faça vai fazer diferença. As pessoas ainda vão aprender - ninguém vai conseguir destruir oque há de mais lindo entre nós. /saudades/ 
 

-


Um ônibus vermelho depois de um final de tarde cinzento com rasto em tons alaranjados de pouca luz no céu.. um banco confortável de frente a janela do sexto andar, vento gelado, neblina, escuro lá em cima, claridades ofuscantes aqui em baixo, na rua – carros,sirenes,pessoas e guardas – chuva. Aqui dentro – vozes e viola, uma regueira mandada embala minha mente livre de qualquer maldade.
Em mim sinto o delírio e a complexão de ser humana. Penso, penso, tento não entrar em conflito e não chego a nenhuma conclusão.
- ela sorri sem vergonha de mostrar a felicidade.
Deixei de lado as questões conflituosas e fui observar melhor a noite, senti a brisa!

O dom de me fazer sorrir


A rua,uma brisa gelada que corta os lábios secos desejando um beijo.
Janela que olha com olhos atentos e um brilho incomparável..
- sorrisos.
Vozes abafadas pelo barulho do motor do ônibus que logo vai partir.
o mundo gira devagar (8’
Sensação gostosa que me deixa com cara de boba,despreocupada com quem ao redor estava..
- corpo encostado na parede na parede deixa esse vento balançar os cabelos daquela que sente um sentimento puro sair de seus poros,observando um rosto encostado de forma tão delicada ao lado do vidro que reflete as luzes da cidade.
Sinal de partida e uma vontade louca de invadir aquele lugar que levaria você mais uma noite pra longe de mim.
hoje vai ser mais uma vez vou acordar sem você ao meu lado (8’
Sussurro e distanciamento pelas ruas que andam e os olhos que se comunicam’
A certeza da presença no coração roubado e nos pensamentos que arquitetam planos e lembram de detalhes já vividos..

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

#

Sensações estranhas que me atormentam – aprendi a controlar –
#asvezes
Arrepio, visões, imaginações.
Cabeça pesada!
Faz tempo e nunca compartilho.
Agonia.
Lembrança repentina de uma sensação ...
Prazer, adrenalina ...
Válvula de escape.
Dor, desespero ...
Algo dentro de mim grita rouco pedindo pra saciar a sede do sangue.
Confusa – lágrimas –
Auto controle ?
Minhas quatro paredes parecem rodar ...
Talvez eu quisesse entender porque isso agora, assim sem um sentido certo ou nítido.
Busco, procuro.
Despejei na pia junto com o chá que me acalmaria, as perguntas ... (21:33)
Entrego!



sexta-feira, 14 de outubro de 2011

-

Em meio ao barulho da cidade, no 7º andar desse prédio – observo-
Janelas fechadas,plantas,grades,pessoas que trabalham do lado direito ocupados numa rotina estressante é oque parece.
Aparência antiga, sujo,velho é como vejo as paredes externas ...
Um pedaço do céu lá e cima.
Ouço vozes,carros e barulhos não identificados de algo que acontece por dentro...
O vento faz soar um sininho de vento pendurado nessa grade.. um barulho calmo entre ‘tanta confusão’ me aquieta a alma. Algo escrito em outra língua que não sei oque significa – as vezes os detalhes passam meio - despercebidos- olhos atentos viajo na paisagem entre os ‘monstros’ pra algum lugar que me transmite boas e más sensações – as quais prefiro não compartilhar-
Dessa janela tenho lembranças de momentos entre tais 4 paredes onde me encontro...
tem alguém dormindo na sala.
# Parou de ventar... Já é hora de partir.

‘pombos são ratos que voam’

Nojo é oque sinto desses bichos... aglomerados nas praças a procura de migalhas, derrepente se assustam e se espalham entre as arvores.
Lá em baixo – daqui da janela – avisto alguns que procuram comida,qualquer farelo que tenha sido levado pelo vento.
Estão longe, nervoso sinto quando os percebo perto,atravesso,desvio #engraçado. Me sinto tola ao ter ‘medo’ – pra mim são animais estranhos como pessoas falsas e traiçoeiros.
-compartilhando- 

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

de bôa com o mundo em conflito comigo

...
andando com destino certo,mas querendo fugir daquela comum rotina desorganizada, dando voltas pela cidade pelo simples fato de andar sozinha observando a noite chegar e as pessoas indo pra algum lugar qualquer...
silencio;  - eu não tinha oque falar... mas gritava por dentro desesperadamente lutando contra os fantasmas que me atormentam.
Constante mudança (8) pra não se fazer a queda.
preocupada com oque um dia foi sonho e hoje parece estar tão perto e cada vez mais fora de alcance.
Desistindo ? - não, talvez não.
Ainda em algum lugar perdido no meio de toda aflição existe um - acreditar - somente por ainda desejar mesmo com medo e desesperança.
As horas passam devagar e os dias parecem vuar e eu permaneço estática.
Porque ? - talvez eu tenha esquecido como correr atrás daquilo que tanto almejei durante o tempo já vivido, ou talvez tenha vários outros talvez que prefiro deixar os fantasmas se divertirem ...
Vou ficando assim, como sempre digo meio - seilá - até me envolver e fazer adormecer oque me incomoda.
por agora isso faz sentido, me resta o caminho de volta nas ruas vazias e no tempo chuvoso, quando soar o sinal e despedir- me de todos me encontrando sozinha comigo mesma mais uma vez ..
                                            (choro que chora a alma querendo uma solução ou um abraço. 
                                                                                           talvez eu nem saiba ao certo, ou tanto faz.





 

sábado, 1 de outubro de 2011

olfato


- o seu cheiro me envolve quando sentindo bem de perto, ezalado por todo corpo.. chego perto do seu ouvido respirando profundamente fecho os olhos e te abraço forte, te sinto e estremeço. Aqui agora longe da presença física não paro de pensar em você,tenho uma peça de roupa que me aquece do frio e me faz sorrir ao sentir aquele cheiro que não sei descrever, é forte como se você estivesse aqui e me embriaga trazendo varias lembranças e sensações.

numa manhã

Disfarçando estar fazendo o exercício, de rabo’ de olho avisto o mestre da língua portuguesa, rasgaria essa folha se percebesse minha ousadia em da um miguê .
Arrisco!
Vejo lá fora carros descendo por um morro forte,transeuntes,casas,prédio,janelas,um céu azul e um sol radiante,talvez algum verde entre as construções...Parece calor,mas aqui sentada no canto as sala visto uma calça jeans e um largo moletom que me aquece e me traz um cheiro – cheiro de boas lembranças.
Meu corpo arrepia,sorriso de lado.
Ouço vozes conhecidas La fora no corredor.Ando desabafando aleatoriamente por ae, isso me faz bem.Sinto pessoas perto,as de sempre,as que quase se foram e as que vão chegando...
Tenho novos planos e medos e estou vivendo.. tanta coisa acontecendo. Cabeça fervilha e quase nada vai parar no papel – agonia –
Talvez eu esteja querendo guarda de maneira egoísta cada momento pra ao perde a emoção sentida.. ou talvez eu não consiga descrever.
Acontecem cosas boas e ruins – o sinal tocou e uma noticia ruim chegou num súbito susto deixando todos com feição triste.. a morte buscou alguém, e o clima mudou, conclusão de um consolo,um abraço,uma palavra,um olhar ...
Complexa nesse momento é também como vejo a morte.Fria,triste e vazia ...

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Nirvana

E finalmente o vinho nos levou ao Nirvana! Os experientes e os novatos chegam ao mais alto nível. Cada qual brisando cada coisa, mas todos com o mesmo intuito, viajar na brisa ofegante que balança nossos cabelos!
É o mesmo vento que leva a maré de loucura e os pensamentos que vagam lentos num estado que talvez não entendemos.
Risos soltos, música e o barulho da sociedade que talvez um pouco nos assuste... Quando voltarmos ao mundo que se diz real. Mas agora não... a única coisa que compreendo é que longe daqui é onde estamos.
A brisa leve vem voando solta ao vento, transpassando o verde vibrante da árvore alegre, e também o marrom frio da árvore seca. No centro desse espaço é onde estamos, o limite entre a loucura do Nirvana e a lucidez dos galhos secos e móveis. A respiração palpitantemente aliviando é a marca, a marca do início, a marca do fim.

                            Escrito com:      -Thales Diniz (http://thalesdiniz.blogspot.com/)
                                                    -Saraah.D      (http://saraahd.blogspot.com/)

sábado, 24 de setembro de 2011

mundo feminino

- #eu ri

energia natural


Andando com um sorriso sincero no rosto não conto os passos, voltando a realidade desse mundo cheio de regras, avisto uma rua escura onde as pessoas andam apressadas.
Caminho de casa vou seguindo sem me preocupar com o escuro,talvez eu ate enxergue melhor.
Começo a reparar olhos aflitos que se encontram fora de suas casas,conversando e tentando entender oque aconteceu, as televisões estão desligadas a luz foi embora,disseram que foi assim do nada.
Três postes acesos lá fora fazem as pessoas unidas.
Entro em casa e sei exatamente onde cada coisinha se encontra.
E me faço a pergunta, será que alguém já olhou o céu lindo e estrelado que irradia essa noite?
No caminho de casa eu suspirava olhando pro alto gozando o prazer de simplesmente viver.
Subi correndo as escadas,sentada no chão estou escrevendo esse texto ouvindo um bom som e de longe os murmurinhos na rua das pessoas preocupadas com a luz gerada pelo homem ...
Cheiro de incenso no ar, posso sentir meus olhos brilharem e cada parte do meu corpo com uma sensação diferente – arrepiar -, a respiração da alma ...
Me sinto bem aqui, vejo estrelas no céu e somente elas me bastam pra iluminar esse momento.
- se a luz acabar saia,olhe pro céu, caso ela permaneça acesa, apague-a,sai para ver o brilho da noite – Fica a Dica!

numa certa manhã


O vento que leva as cinzas deveria levar minha agonia,mas permanece quase tudo aqui – eu e a solidão –
talvez o meu cheiro seja levado. E eu permaneço aqui sentada,calada com os olhos cheios d’água de lagrimas que não caem.
Ta frio e cinza!
eu ainda estou aprendendo a ver ‘a beleza que existi no cinza’
eu to entregue e isso me assusta.Gera um medo uma vontade de sei la ...
Parece tudo tão perfeito mesmo com todos os erros e defeitos... Eu não quero ouvir as pessoas falando’ (blá,blá...
‘ vamos viver nossos sonho’ (8
Me abraça e me faz falar aquilo que pareço não conseguir dizer, ‘você me traz paz’, me beija e sorri de leve dizendo em seguida que não preciso sentir esse medo.
É oque quero.. sentir você aqui mais perto,mas entende quando eu precisar ficar sozinha. Isso faz parte da minha essência – desejo viver cada momento mesmo que ele seja agonizante – 

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

desenhei e escrevi, refleti

Desenhando em papel como criança,uma casinha com chaminê, o sol,nuvens e passaros,uma arvore e flores .. De um lugar que criei quando pequena e fazia tempo qe não visitava.
Os tempo mudam..
talvez ainda rabisque alguma coisa em momentos de loucura ou falta do que fazer, no mais papel e caneta me servem para expressar algo inquietante aqui dentro. - palavras que correm assim como são, sem pensar num sentido concreto,bela grafia ou essas coisas de concordancia.Eu simplismente escrevo.
- Agora: algo qe não sai - eu prefiri não pensar muito, me calei, seria pior, não ha nada de ruim em deixar de viver algo quando se tem algo melhor a se fazer...

numa' tarde

Sentados na calçada fumaça sobe e eu olho a rua sem reparar, penso no infinito, busco o paraiso e ja nem sei aonde estou.
Preso a liberdade caminho solta sentindo o vento,talvez eu nem enxergue o meu caminho, mas ainda sim trilhando eu vou...

-

3º dia da semana,
3 horas da tarde,
3 rodadas',
3 mil viagens,
3 vezes mais,
3 vezes longe daqui ...
3 pontas energizadas.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

diz respeito' ao coração


Você esta aqui agora, comigo, mais perto.
Quiz guarda os detalhes pra não perde a emoção de como tudo acontece..
Assim num momento ‘certo’ – eu estava mesmo indo embora (talvez não mais lutasse, e agente foi se aproximando...
E aconteceu e está acontecendo / devagar e sem maldade..
Agente sorrindo é oque há de mais lindo agora!

Hoje quiz escrever sobre mim


Vindo pra casa com fone no ouvido sentindo um leve som e o calor de andar depressa, talvez seja tarde e eu já deveria estar deitada no meu leito vazio – dormindo,nessa noite fresca de céu estrelado.
Vejo pessoas mas não as observo (não hoje, não agora)
Estou focada em mim – Egoísta!
Tento reparar detalhes.. aqui dentro onde as coisas mudam e as vezes não me dou conta e as pessoas reparam ou explodo e talvez ninguém repara – Confuso.
Mudanças ?!
8 – constante, assim como o símbolo tatuado do lado direito perto do pulso onde um sangue corre quente nas veias...
Tanta coisa acontece (ainda não digeri os últimos detalhes ou talvez eu nem os lembre, #fato
Levando ou sendo levada ?
Me pergunto com medo da resposta, aquela que talvez quando encorajada repito alto pra mim mesma na frente do espelho.
Justificar ?!
-deveria ser a resposta: Porra nenhuma! – oque minha boca soaria o som da voz,mas me pego sempre querendo uma explicação.. (ou não ?!
To mais calma (é oqe digo), to meio nem aê (é oque dizem ...
Eu quero concorda!
Ee (é) talvez eu concorde.                                                    *vivo

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Ruas que atravessam


São vários os caminhos- vira-se a direita,desce. Olha pros dois lados,vira-se a esquerda,sobe,corre,vaga,respira,entra por ali, quebra por aqui ..
Nos centro ou nas quebradas. Pessoas passam, janelas olham.
Desvia,anda sem calcular os passos.
Mas, observa o tênis..
Lugar, momento (plural).
- atravessar :ultrapassar, passar de um lado para o outro.
Assim como mudança repentina de humor ou como sentir cada suspiro..
Ruas que fazem a cidade, que limitam como linhas que impõem um inicio e fim.
Atravesso as ruas que atravessam minha vida também. Transito com coisas boas e ruins.
Talvez eu pare aonde elas param (se é que param .. ?!

acampamento do caralho, piração foda

Partindo pra senti a brisa foi-se aquele povo louco.
Lucidez de sede de liberdade eles tinham na mente,bagagem cheia, mochila nas costas...
Sentados num pano amarelo com desenhos de sol,lua e estrelas, numa pequena mata a quilômetros de casa,sentem a fumaça lava seus rostos, brasa que queima e esquenta os corpos, a fogueira ao lado.vêem o dia ir embora e a noite chegar, a lua cheia vai subindo e iluminando nossos rostos, bocas que cantam,viola que traz o som junto aos barulhos da noite..
E tantos outros detalhes que guardamos...
(o fdp do yuri ainda não passo as fotos :@)

terça-feira, 6 de setembro de 2011

por viver

por uma calmaria, por uma tempestade,
por sonhos, lembranças, desejos, por sono, 
preguiça, fadiga, por todos os dias, 
noites e madrugadas, por desespero, 
tristeza, lagrimas, por medo,
por pensamento, por performace.
- por Olhos fechados! 
por Minha tranquilidade.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Alma, corpo, espírito, mente

A luz que pisca me revela a alma, o chão em que sento o corpo e a brisa com forma deforme no céu me mostra o espírito. 
Alma inquieta que busca refúgios para si libertar em lugares talvez obscuros,respira devagar o ar da noite enchendo os pulmões enfumaçados, sente arrepiara a espinha do corpo que descansa, desancando a cabeça de um poeta...
Esse tal que se liberta frente a tenebrosidade de um cemitério sentindo- se a vontade nos ombros da escritora que recosta-se numa igreja fitando a fumaça que sai de seus lábios, a seu lado consta um louco.Podíamos sentir o medo e o bem estar saindo de seus poros.
E certas coisas não sabe descrever, talvez nem si quer decifrar, sentir oque se sente quando si esta bem é viver intensamente.Considerados loucos poderiam permanecer ali por mais um tempo, cantando qualquer coisa ou ouvindo o som da respiração devagar dentro do peito cheio de mistérios.

- escrito por Jéssica Rocha e Thales Diniz (http://thalesdiniz.blogspot.com/)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

aprendi que ...


Com o corpo em constante
movimento deixo livre a
mente pra não pensa 
naquilo que me aflige.
A sensação é que
não posso parar, 
porque assim se fará
a queda e a dor!

domingo, 21 de agosto de 2011

04:42 am

não sei oque quero escrever,mas axo que peguei papel e caneta mais uma vez pra acalma uma inquietação aqui dentro,com a cabeça a mil e ao mesmo tempo sem saber oque estou pensando...
tanta coisa já vivi nessa noite,talvez ainda esteja um pouco tonta,sei lá. O efeito da bebida já passo,mas ainda sinto como se minha cabeça rodasse,axo que foi por uma certa reflexão de 15 mim atrás. verdades,mentiras,corpos,pessoas,copos,coração,lagrimas,ontem,hoje,amanha nem sei dizer,medo,abraço,carência,falta de ar,lembranças,momento,aqui,lá,olhar,sinceridade,choro engolido,não saber oque falar ou até mesmo pensar...
entrega!
'seria egoísmo da minha parte ...'
sentindo uma certa necessidade de ir embora mesmo querendo ficar,me arriscando com dor no coração,vivo porque gosto. Não fecho os olhos pras' pedras no caminho,me faço de forte.Vivo de fato porque gosto.

aprendizado'

24º Inverno Cultural DA UFSJ 
Oficina: O Ator Criador - Uma experiencia colaborativa Professores: Claudio Dias e Marcelo Souza e Silva.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

compartilhando a aflição


Em baixo de arvores iluminadas, sentada num banco igual de uma praça.
-Controlando!
Acabo de perceber que meu corpo treme e não é somente de frio, minhas mãos inquietas buscaram papel e caneta pra escrever, esquecer um pouco qualquer coisa que me deixo aflita ...
Vim pra fora, ée pra fora de onde estava,pra mais perto da noite...
- Inquietude!
Acabo de perceber que meus olhos si inundaram.
Mas talvez de nada vá valer fugir!

relatos de oficina - aprendizado

é uma busca individual que ao mesmo tempo é coletiva.Sinto como se existisse amarras e todos se juntassem de uma forma desenhada onde a sonoridade e os movimentos se casam... a partir de cada detalhe,cada palavra dita,gritada ou sussurrada.Pelo objetivo de Performance Poética.
a interação de cada um com um todo abrange a possibilidade de um leque de idéia e formas que vão sendo filtradas no decorrer das horas. O tempo é curto e o desejo de aprender e experimentar é grande.
trabalhar com pessoas travadas ou que nunca talvez tiveram tal contato é sempre desafiante, é um aprendizado gratificante. Vejo como uma evolução minha de quando tudo começou e como estou caminhando na minha sede de sair do comum que aqui já não é surreal.Discutir ideais,amarrar palavras,criar um cordão de tentativas de uma coisa ensaiada que no final viraria um improviso em cadeiras e pessoas'
saindo da primeira criação.Ousando mais e dando corpo ha aquelas palavras,vendo tudo desenvolver perfeitamente como coisas que saem de uma caixinha de surpresa-evolução do coletivo, fio de back dos 'amigos' ... o laço foi 'iniciado' e agora já se tinha um cordão poético e performático.
- repetição,criação,finalização iniciada,ocupando e experimentando o espaço - uma casa antiga,um bar, um clima gostoso... janelas,grades,ensaios,fotos,nervosismo ... resultado!
(24 Inverno Cultural da UFSJ - Oficina de Performance Poetica - Ministrada por: Marcelle Louzada e Babilak Bah)


domingo, 7 de agosto de 2011

madrugada a dentro'

Saio de casa pra respirar outros ares.Vou dar uma volta por aê,ali,seilá, qualquer lugar pode ser meu lar... meu canto pra refugiar de tudo ou de nada, talvez eu so precise mesmo me afastar daquilo que é minha rotina.
Pouco me faz feliz,quase nada me basta pra estar bem comigo mesma.
Aqui agora não temo qualquer mau, qualquer perigo talvez até me agrade.bicho solto não vejo paredes que me prendam, vou embora, vou parar, respirar um mundo sutil como desenho em papel.
Fugir é ceder,me entregar (8
Transformo o mundo se assim me libertar! (24/07)
Hoje - Noite de frio de inverno cultural, conversas, café e cigarros.O cheiro do incenso de alcalipto de boas energias leva a fumaça devagar pelos quarto cantos da sala.
Risadas são soltas espontaneamente, olhares discretos.Sonoridade. a voz rouca junto aos velhos CDs e as horas passam devagar ... Esse clima parece perfeito pra permanecer aqui até o dia amanhecer ... (26/07) 
Nessa madrugada - Em algum lugar pessoas dormem e sonham concerteza, em algum lugar pessoas fazem alguma coisa consideravelmente util, aqui pessoas estão acordadas, o sono não veem... Não se sabe pra onde vai a fumaça dos cigarros acessos, o corpo esquente a cada golé (hoje) de chá,palavras são ditas as vezes, alguns versos são cantados,mas oque prevalece é o silencio... Eu posso sentir a inquietação do meu ser,ouço gritos dentro de mim e o som de pes bateno ao chão junto ao ritmo da musica tocada.
-sou eu mesma sentada escrevendo pra expor sei lá oque.Sinto meu rosto queimar ... (28/07)


segunda-feira, 1 de agosto de 2011

20 de julho.

poderia gritar bem alto como é bom viver,berrar ao vento a alegria de estar de pé respirando ar puro e sorrindo a cada detalhe avistado, mas não...
o dia se foi, já é quase noite, me resta um pouquinho de luz pra escrever,na verdade quase não vejo as palavras,mas permaneço aqui fora sentada na grama fria.
ouço vindo lá da mata o barulho dos grilos,de longe lá na estrada de terra passa algum carro devagar deixando a poeira no ar.
já tem estrelas no céu eu sinto meu corpo responder a cada detalhe da natureza.
lá dentro, na casa pessoas conversam e perdem esse espetáculo, já me gritaram, dei de ombros, vieram me trazer uma cerveja, agradeci e tomei um gole que desceu gelado pela garganta. A noite é fria,coloco capus e deito na grama... Não tenho mais nada a dizer,a vibe aqui agora é sentir a brisa!

domingo, 31 de julho de 2011

natureza


encho o pulmão de ar puro, ponho as mãos na pedra as sinto forte, firme, vibrantes, tiro os sapatos ponho os pés no chão e sinto o calor da terra,olho bem ao meu redor,meus olhos brilham posso sentir, sei que é de ver tamanha beleza,ouvidos atentos ao som dos pássaros,da água que corre pelo rio formando assim uma pequena cachoeira, meu corpo arrepia ao sentir cada sopro, a brisa aqui é leve, o céu esta azul,as arvores verdes, cada plantinha, cada matinho é vivo e tem seu valor... logo de manhã bem cedinho quando acordo vejo tudo nítido e belo é como se o mundo inteiro acordasse, a natureza quieta pedindo atenção assim quando bem cuidada,valorizada,logo ao anoitecer, meus olhos mau podem ver devida escuridão do dia que já se foi, agora aqui é noite. só vejo as estrelas brilhantes e divinas bem la no alto,tão longe que nem as posso tocá-las, a lua me dando mais força,os ouvidos atentos aos poucos barulhos, já assim no silencio se sente mais forte as vibrações e é como se todo mundo fosse dormir e a natureza se aquieta pra velar o sono dos justos... Eu prefiro permanecer aqui fora revigorando minhas forças... (ao amanhecer,entardecer,anoitecer.

final de tarde

engraçado como meus pensamentos são tomados por uma saudade inquieta.A cada dia que passa a certeza de estar vivendo.. se de maneira certa ou errada,deixo pra reflexões nos dias de angustia que sempre me fazem repensar cada detalhe derramando lagrimas de dor e felicidade.
a incerteza de cada passo permanece a cada dia mais forte ou bem mais fraca, tudo sempre depende.
Depende? - sim, depende...
- na verdade eu odeio essa insegurança que toma conta de mim, fico presa,mas já não sei lutar contra isso então 'deixa estar que oque for pra ser vigora'.
eu bem sei que saudade inquieta é essa que talvez me apavora,mas não deixo mais tomar tanta conta de mim,fecho bem forte meus olhos,lembro de detalhes que guardei porque realmente foram marcados pelos momentos vividos, me contento com o simples ato de lembrar (talvez doa), logo abro meus olhos com um sorrisão no rosto e alguma lagrima no coração (é necessário) desvio minha atenção para outra coisa,só pra sair daquela caixa de vidro é preciso viver a saudade devagar e ao mesmo tempo rapidamente, pra não esquecer e pra não morrer de tanto sofrer a espera de saciar a vontade de acabar com esse sentimento.
(eu to aprendendo, eu to me forçando,sei que estou tentando e não esta sendo fácil, mas eu vo passar do seu lado dizer oi e sair sorrindo, eu vo se forte ao te ver do lado de lá, to indo embora assim como você quer que eu faça. agora é ainda mais difícil e necessário,um dia descubro de quem foi a culpa!

nômade

assim como eu queria viver, talvez sem morada fixa,sem prestações de contas,sem uma só janela para olhar sempre a mesma vista.
viajar!
estar cada vez em um lugar diferente,cada dia um tempero,um sorriso e um apelo.
que fosse por um tempo indeterminado e infinito,sem dia certo pra começar ou acabar,mas que talvez não fosse eterno.eu bem confesso não aguentar passar todos os tão sonhados muitos anos de vida assim, até porque 17 já se foram... mas eu sei bem,aproveito logo como posso,mochila nas costas parto pra onde me guiam,seja lá por qual motivo,mas é fato que eu sempre volto.
sonho eu quem sabe um dia realizar o desejo de passar exatos 365 dias na estrada,percorrendo de cidade em cidade,trazendo fotos e lembranças junto a bagagem.
por hoje aqui estou a mais de 300km de casa, isso agora me basta!

sábado, 16 de julho de 2011

ainda vivo.


A sensação que o tempo corre rápido de mais e eu não consigo ingerir tudo que acontece comigo, ora me olho no espelho, reparo cada detalhe e digo a mim mesma que sempre é hora de viver, ora mal reparo meu reflexo, passo longe de estar cara a cara comigo mesma.
Talvez eu esteja me sentindo diva de mais e dona de mim, ou talvez eu esteja fraca de mais ou idiota ao extremo.
Já sei que do espelho posso fugir, mas não consigo fugir dos meus pensamentos cretinos que me levam a outro mundo, ora cheio de verde e cheiro de terra molhada,cheio de boas energias, ora em lugares obscuros,cheios de dor e sangue ...
Sei que estou vivendo, 24h por cada dia, fazendo tudo que pessoas normais fazem, tudo aquilo que talvez eu não devesse fazer,varias coisas que quero e outras que nem me fazem tão bem’
Deitando todos os dias na minha cama e fazendo analise de tudo que aconteceu, deixando nítido sorriso das boas lembranças e clara a dor das coisas ruins.



quarta-feira, 13 de julho de 2011

buraco do bicho

Na beira do rio, ouço o barulho da forte correnteza batendo nas pedras, o céu azul com nuvens compondo o verde das arvores.
Sinto cheiro de terra molhada,ouço vento que sopra devagar, vejo o quanto é bela natureza mãe.
Descalça ponho os pés na água gelada,deixo- a lavar meu pés como se alcançasse minha alma.
Abro os braços, respiro fundo, converso com o tempo,agradeço,retiro do peito toda raiva, enche-o de boas energias.
revigorante!
Saio daqui fortalecida,com sorriso estampado e um pesar de ter que ir embora pra perto dos monstros que piram minha cabeça com tanto problema e poluição.
Peço que sempre possa viver momentos como esse, de libertação.É aqui em meio a natureza
que equilibro minhas forças!

terça-feira, 12 de julho de 2011

praticando o desapego


Tentando desprender do passado,revirando coisas guardadas,enchendo o lixo,apagando partes ruins,guardando partes boas.Tentando sair daquele lugar que não valia mais a pena,devolvendo aquilo que não é meu,remoendo cada lembrança,mudando de ambiente,retocando o quarto’,respirando o ar que batia na janela do lado,hoje meu refugio aconchegante de quatro paredes brancas.

Sentada olhando cada cantinho, queimando incenso de boas energias,sinto as vibrações de uma nova fase.
- na onda que levava a mudança, queimava parte do passado, cartas e mais cartas,guardadas em uma caixa por tempos, sentada olhando o fogo estalar a cada palavra que desaparecia do papel, sem remoer de mais, sem ler, sem querer parar. Era mesma chegada a hora,eu sabia que chegaria, ainda não totalmente, ainda guardo algumas, vou me livrar delas um dia talvez, mas hoje já basto todas as que se foram, ta tudo guardado na memória, é mais seguro menos lamento.

ultimo dia do mês

descreveria cada detalhe de cada momento ao seu lado,sempre imprevisíveis, você uma caixinha de surpresa me fazendo querer desvendar cada olhar,cada suspiro, me deixando confusa,me desafiando sempre.Aqui dentro do meu quarto fecho os olhos,passa um filme na minha mente,lembrar que tudo começou com olhares, e vou lembrando me maltratando, vários momentos ate chegar na noite de quinta-feira que agente tava junto olhando um céu estrelado.Não sei em que você pensava,não sei em que eu pensava, talvez em nada,talvez em tudo. Me sentia anestesiada pela noite,pela brisa.
-talvez fosse o vinho ou a energia da noite ou aquele abraço.Me encorajei,não sei explica o porque ou como,talvez aquela era mesma a hora de falar aquilo que pensei perder você e não dizer... algo que me parece tão obvio, que talvez você soubesse e eu nem precisasse dize, mas bateu forte aqui dentro que não deveria deixar pra depois,confesso o medo - Inquieta - custei a falar,abraçada contigo sem preocupar com o resto do mundo,sentindo o calor do seu abraço, (meu ponto de paz),falei sobre paixão,sobre medo e sobre esse sentimento que tenho por você que talvez não saiba definir direito, só sei que é mais forte que eu possa controlar. - Gosto muito,muito de você!


segunda-feira, 11 de julho de 2011

# Torta

Unhas granes pintadas de vermelho ou preto,cabelos lisos e curtos, meio bagunçadinho,olhos verdes realçados,pintados,preto,preto,muito preto,anel de coquinho no dedão,roupas (diferentes?),estilo,listras,camisetas,jeans, largo ou apertado, all star,toca,faixa,decote. Uma tatuagem (8) – já penso na próxima (*), oito furos, já penso nos próximos.
Não é pra mostrar nem provar ou provocar ninguém, eu curto é isso que importa afinal. Tenha ou não segnificado,se eu achar bonito,ta valendo.
Olhos totós da sociedade não me incomodam tanto hoje, ‘ meu estilo de vida liberta minha mente,talvez louco,mas um louco consciente!’
Eu gosto mesmo de tudo que possa parecer ou de fato ser diferente, que talvez agrida os olhos de quem vê, julga e cria um pré-conceito. Foda-se eu só torta mesmo!


aproveitando ... ’


oque há de bom nessa vida
Fechando os olhos devagar, viajando naquele som, pensamento dançando ao vento gelado,embalando na musica, ora batendo de leve os pés, ora as mãos, como se conversasse com qoue era tocado, se deixando levar pela brisa da noite de céu com nuvens mais ainda sim belo. Sentados no chão nos estávamos encostados, cantando. Um elo já criado seja lá porque ou como, fez nascer um vinculo á aquelas pessoas que estão ali nos dados momentos da vida. Talvez seja a viagem seguida de musica, ou qualquer outra coisa que nem precisa ser explica, mas é bom porque nos traz aqui ...
-(vida longa) noites como essa são sempre revigorantes a alma, traz de volta sorrisos, faz querer viver.
‘corre pra varanda e venha ver,faça sol ou chuva um lindo dia vai nascer, um céu em degrade (8’
Brisante’

quinta-feira, 7 de julho de 2011

semtoque'

Uma sensação boa que me embala nessa noite,depois de um dia cinzento,agonizante. O ar que agora me falta é leve, não mais aquela vontade de chorar e gritar desesperadamente palavras presas junto ao nó na garganta.
Andar sem pressa,observando o movimento dos carros e das pessoas,respirando devagar,sem pensar em nada me aliviou no inicio da tarde,logo no final de muitas coisas feitas, andava apressada,como sempre atrasada,vendo os reflexos das luzes do inicio de noite.Já respirava ofegante quando me dei conta que é mais fácil viver viajando numa brisa boa do que ficar remoendo dores que se instalaram dentro do peito.
- conversando,desabafando,confiando,rindo,se olhando.Agora diferente de mais cedo quando tava tudo meio estranho (no mundo).Lembrando daquela tarde,eu puxava na memória detalhes  esquecidos,achava graça.Preocupada comentei algumas coisas que queria compartilha.Não quero ser (mau) exemplo,talvez eu seja ‘torta de mais ou somente viva de maneira mais livre,seilá.
Sentados no passeio com a cabeça encostada sob um céu com nuvens,sentindo o vento gelado agente se ‘ curtia em palavras e presença.

29.06

Hoje acordei me sentindo pálida,fria,angustiada.Presa tentando aliviar no silencio de quatro paredes brancas,dormindo, acordando.Obrigada a levantar,despertar para luta de mais um dia ,no relógio marcavam 06:06 (engraçado isso,lembre daquele texto), lavei o rosto com água gelada como quem quer lavar a alma,me arrumei devagar sem reparar os detalhes de mim mesmo no espelho que parecia embasado pelo meu pensamento que tentava esconder minha própria figura refletida através de cores claras que pra mim mais pareciam envelhecidas.
Andando,sentindo o vento tocar meu rosto.cortando minha pele,entrando no carro observando o mundo fora daquele veiculo onde sentia uma sensação de prisão,acho que hoje não queria ir pra onde me levavam. Sem saber oque dizer,perdida nos meus passos,talvez esperasse um abraço que me confortasse,mas não aconteceu(naquele momento que me encontrei com seu olhar,pensei mil coisas,talvez eu quisesse falar sobre elas,mas agora me sinto meio zonza).
Fugindo de que? – pareço me esconder atraz de um leve sorriso só pra não ter que dar explicações as pessoas que me cercam. E agora não cercam na verdade. Vim me refugiar do lado de fora,La dentro me sentia sufocada.
- ta frio, não gosto de frio, mas me forço a aprender conviver com esse céu cinzento que me parece triste e esse vento gelado que faz voar’ meus curtos cabelos, quisera eu ser levada assim pelo vento,mas permaneço aqui estática,procurando não entender o motivo da aflição que aperta meu coração.
Válvulas de escape embriagam minha mente,mas não,por hoje talvez eu só precise desabafar com o olhar tudo oque me faz estar assim,mesmo não sabendo oque seja, vou me desligando e voltando ao corpo, ora em plena consciência ora perdida no infinito prazer de desvendar segredos que devem ficar guardados.
- eu to assim mesmo calada,sufocada,palavras presas na garganta,grito rouco,abafado pela lucidez. (são tantos talvez ...) – talvez eu ate quisesse falar ou perguntar coisas que fizessem ou não sentido.Não saem! – desesperador isso.
Mas ao mesmo tempo que me faz parecer enlouquecer,me faz ter a certeza de que se tudo fosse fácil realmente seria monótono de mais viver.
Hoje numa manha turbulenta,eu inquieta, escrevi, escrevi, já me sinto repetitiva com as poucas palavras usadas,começo a me acalmar,talvez aquela aflição se escondera em algum lugar dentro de mim. Indo embora. Eu preciso parar com essa loucura de me fechar dentro dos meus pensamentos tentando achar respostas pros problemas’.
# fica sempre tudo de boa depois.            – eu sorri!

23:25'


Será que já descobriu oque quer ? – acho que não.
Não consegue se desprender do passado recente que você demonstra querer se torna de novo presente.
É essa sensação que tenho(droga), mesmo depois dos momentos ao seu lado.
[você me faz pensar assim/]
To errada ?
- preciso aprender a esperar por você assim mesmo, eu sempre meio de lado’, preciso aprender a não me odiar por gostar tanto de ti a ponto de te deixar tão livre.